O tucano minimizou seu desempenho em pesquisas de intenção de voto no estado

 

Na primeira viagem ao Nordeste desde que deixou o governo paulista, o pré-candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB) se confundiu ao falar de sua imagem na região.

“Eu quero ser entendido como o governador do desenvolvimento. Portanto, do Nordeste”, afirmou o presidenciável nesta sexta-feira (4) instantes depois de pousar no aeroporto de São Luís, capital do Maranhão.

 

Em entrevista a veículos de comunicação locais, o tucano minimizou seu desempenho em pesquisas de intenção de voto no estado, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera com folga.

“A tendência da eleição é de crescer e eleição não é em maio, é em outubro. Precisa crescer na hora certa. Não adianta crescer e depois diminuir”, disse fincando o indicador na mesa.

“Vamos crescer falando a verdade, trazendo o melhor projeto para o país.”

A crítica que fez ao PT se restringiu ao plano econômico. Afirmou que “o resultado do descalabro do governo do PT taí: 13,7 milhões de desempregados, que estão procurando emprego, e 10 milhões no desalento”.

“Esse foi o resultado de uma grande irresponsabilidade fiscal”, disse pausando as primeiras sílabas, como costuma fazer.

“O concorrente você não escolhe. Quem for o candidato do PT nós vamos disputar. Eu já disputei com o Lula em 2006, só que o Lula era o presidente da República, o PT estava com tudo. Nem sei se Lula vai ser candidato, mas, mesmo que seja, é um outro momento.”