Disse ainda que não passará a mão na cabeça de bandido

Em visita a Teresina neste fim de semana, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) comentou as críticas e piadas feitas em todo o país, sobretudo por membros da esquerda, segundo as quais integrantes do seu partido dificilmente são condenados pela Justiça, mesmo quando existem provas consistentes de cometimento de crimes graves.

Na sede do diretório municipal do PSDB em Teresina, o pré-candidato à Presidência da República disse que “não passa a mão da cabeça de bandido” e que acredita na Justiça brasileira.

Para Alckmin, o Poder Judiciário brasileiro não tem cor partidária, e, por esta razão, é preciso confiar no trabalho dos magistrados.

O ex-governador também afirmou que, caso seja eleito, pretende ser conhecido como um presidente que trará desenvolvimento para o Nordeste. Para isso, ele considera que, primeiro, é preciso fazer o país voltar a crescer, através, sobretudo, da geração de empregos.

“Eu acredito que o grande desafio do Brasil, e especialmente da região e do Piauí, é emprego e renda. Então, nós estabelecemos uma meta pra gente dobrar a renda do brasileiro”, afirma o ex-governador.

Alckmin opina que o Governo Federal precisa fomentar um grande programa de incentivo à execução de obras por todo o país, que possibilite a tão esperada geração de empregos.

O tucano também defendeu a realização de uma reforma tributária que possibilite “destravar, desburocratizar e simplificar a economia”, e destacou a importância de manter zerado o déficit primário no país.

O presidenciável faz a visita ao Piauí na tentativa de dar um impulso à pré-candidatura do deputado estadual Luciano Nunes (PSDB) ao Governo do Piauí.

O tucano também falou que o Governo Federal precisa ajudar o Piauí a incentivar os setores da economia que são mais fortes ou que têm grande potencial para crescer. Ele citou a geração de energia limpa (eólica e solar), o comércio, o setor de serviços, o turismo e a mineração.

“Você tem aqui possibilidades enormes. O Governo Federal tem que ser um grande parceiro do estado, pra poder acelerar ainda mais esse crescimento. Emprego, renda, renda, emprego, esse é o desafio. Fortalecer a economia do estado”, afirmou Geraldo Alckmin.

Aécio Neves réu

No dia 17 de abril, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu aceitar a denúncia contra o senador Aécio Neves (PSDB), de Minas Gerais, pelos crimes de corrupção e obstrução de Justiça.

Segundo o Ministério Público Federal, o tucano teria recebido R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, para influenciar nas investigações da Operação Lava Jato.

A denúncia de corrupção foi aceita por todos os cinco ministros da turma: Marco Aurélio, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Alexandre de Moraes. Mas este último votou contra o recebimento da denúncia de obstrução de Justiça, sendo voto vencido, já que os outros quatro colegas também aceitaram essa denúncia.